Projeto ‘Caminho da Roça’ para levar aprendizagem a estudantes da rede estadual

Projeto ‘Caminho da Roça’ para levar aprendizagem a estudantes da rede estadual

Professores estaduais de Mineiros, no extremo Sudoeste de Goiás, estão tomando o ‘Caminho da Roça’, literalmente, para ensinar. Preocupados com as dificuldades de acesso dos alunos de áreas rurais do município às aulas nesse tempo de pandemia do Coronavírus, os professores Marcelo Máximo, Vanessa Alves e Sonellaine de Carvalho integram um projeto que atende os estudantes de linhas rurais matriculados no Colégio Estadual Alice Pereira Alves.

Batizado de Projeto ‘Caminho da Roça’, a ação leva os conteúdos escolares para propriedades rurais distantes, em média, de 15 a 30km de distância do centro da cidade de Mineiros, onde os alunos não têm qualquer contato com a internet – claro, quando estão em suas casas. “Algumas fazendas não possuem nem mesmo energia elétrica, o que dizer então da internet”, conta o professor Marcelo.

Diante disso, a decisão de implantar o projeto era uma necessidade, observada e apoiada pela gestora do colégio, Maria de Fátima Martini.

Com 140 alunos matriculados, oriundos de 17 linhas rurais de Mineiros, o colégio Alice é a única unidade escolar estadual que atende os estudantes de fazendas no município.

E assim, está sendo feito: a cada 15 dias, Marcelo, Vanessa e Sonellaine pegam um carro próprio e vão para debaixo de árvores ou varandas de moradias rurais para desenvolver o ensino e a aprendizagem para os estudantes.

O professor lembra que as aulas são ministradas sempre em ambiente aberto e com respeito aos protocolos de segurança e proteção contra o Covid-19: “Levamos máscaras e álcool em gel para nós – professores, alunos e pais de alunos”.

Deste modo, o desenvolvimento do projeto se tornou viável e está reaproximando a escola junto dos alunos de áreas rurais, que, desde o início da pandemia, estavam recebendo apenas as atividades impressas, levadas em transporte feito por ônibus.

A professora Vanessa afirma que “somente o material impresso não era suficiente para a boa aprendizagem do aluno, então a proximidade com os professores ajuda muito”.

Formada em Pedagogia e História, e com especialização na área de Libras – Educação Especial, Vanessa observa que as atividades buscam intervir nas dificuldades enfrentadas pelos estudantes e dinamizar o ensino: “A reação de cada aluno é sensacional, com seu olhar de gratidão pelo professor estar indo lá na casa dele, conhecendo sua realidade, e os pais também ficam emocionados”.

Para chegar até a área rural com tudo organizado para as aulas, os professores precisam dedicar um tempo para fazer uma espécie de check-in, com a listagem do que levar: quadro (lousa), pincéis, livros didático, portfólios e os cuidados sanitários.

No caso do quadro portátil, o professor Marcelo conta que o objeto viaja apoiado nas cabeças dos professores e que marmitas (alimentação) também fazem parte da ‘bagagem’.

“Levamos comida, mas as famílias dos alunos sempre nos oferecem almoço que eles preparam, inclusive o café da manhã”, disse Marcelo.

O preparo das aulas geralmente antecede à chegada de alunos que moram próximos da fazenda escolhida para as atividades. Logo, os alunos que se deslocam a pé ou a cavalo, na sua maioria, se ‘juntam’, sempre obedecendo as medidas de segurança contra o Coronavírus.

“Então, iniciamos as aulas de revisão de conteúdos nas disciplinas de português, matemática, física e redação”, relata Marcelo.

O professor acredita que o Projeto ‘Caminho da Roça’ é um marco para a educação em Mineiros, especialmente nesse momento de pandemia, onde as novas ações se diferenciam. “Posso dizer que tenho evoluído muito, pois estamos desenvolvendo algo novo, reconhecendo dificuldades, intervindo e conhecendo a vida de nossos alunos e suas famílias”, considera.

Marcelo afirma que os pais dizem que eles estão muito felizes com o projeto: “Os pais nos dizem que o que eles têm de mais nobre são seus filhos e que a educação pode dar pra eles (os filhos) os que as famílias não tinham conseguido na vida”.

Marcley Rodrigues de Matos

Marcley Rodrigues de Matos

Deixe uma resposta