Feiras de Ciências movimentam escolas de Luziânia

Exposições buscaram estimular a criatividade dos estudantes e motivá-los para a apresentação de projetos de iniciação científica

 

Para impulsionar o desenvolvimento da pesquisa e mediar o conhecimento científico, escolas estaduais de Luziânia realizaram, no mês de novembro, ‘Feiras de Ciências’ que buscaram estimular a criatividade dos estudantes e motivá-los para a apresentação de projetos de iniciação científica. Com base em temas específicos, os alunos apostaram na criatividade para produzir os trabalhos, que surpreenderam pais e professores.

 

 

Os estudantes puderam também ampliar seus conhecimentos em Ciências e Geografia. No Colégio Estadual Helena Luzia – Extensão Jardim Flamboyant, a feira foi realizada no dia 22 de novembro. Participaram do projeto alunos do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e da 1ª a 3ª série do Ensino Médio. O 6º ano trabalhou a temática da reciclagem; o 7º, o sistema endócrino, enquanto o 8º ano preparou uma exposição sobre o sistema solar. Já o 9º ano teve como assunto principal a geração de energia eólica.

 

 

 

No Ensino Médio, a 1ª série expôs sobre usina hidrelétrica, dilatação térmica e cálculo de pH. Na 2ª série, os trabalhos abordaram temas como areia movediça, o som e suas propriedades, além da pressão atmosférica. Já a 3ª série desenvolveu produções sobre o Césio 137. Segundo o professor Messias da Silva Souza, o trabalho prévio de preparação dos materiais e maquetes para a exposição durou um mês. Os materiais foram confeccionados pelos próprios alunos, e a exposição ocorreu durante o período das aulas. 

 

No Colégio Estadual Professor Antônio Março Araújo (Cepama), a feira foi realizada no dia 26/11 e reuniu 42 trabalhos. Participaram do projeto alunos do 9° ano do Ensino Fundamental até a 3ª série do Ensino Médio. A feira teve a participação dos professores de Ciências da Natureza da escola, Ana Cláudia Souza Vortmann , Hasley Rodrigo Pereira, Herondina Vieira Vargas, Anna Clara Soares Barbosa, Regiane de Oliveira Caexeta e Allan Kardec de Paiva. Na elaboração do projeto, os estudantes realizaram pesquisas e levaram para a sala de aula. “A melhor forma de aprender é fazendo”, relatou a aluna Kleisla Eiquer Leite Magno, da 3ª série do Ensino Médio.

 

Deixe uma resposta